sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Cinema: cinquenta tons de sacanagem

Olá, povo querido! Faz tempo que não falamos sobre filmes, não é mesmo? Aliás, faz tempo que eu não boto minha cara no sol aqui. Eu sumi, mas estou de volta e por um bom motivo, depois de me perder em leituras de inúmeros romances inacabáveis, voltei a assistir filmes como boa publicitária e amante do audiovisual que sou. E como a louca da franquia dos cinquenta tons, fui ao cinema ver o mais novo filme da trilogia: Cinquenta Tons Mais Escuros. Bem pornô mesmo.

Olha, preciso dizer que não saí muito satisfeita do cinema, e um tanto desapontada. Me perdoem os outros fãs, mas pra mim faltou continuidade, faltou romantismo, algumas cenas ficaram mal explicadas, não sei, faltou um algo a mais. Por outro lado a trilha sonora está in-crí-vel. Vimos, melhor, ouvimos nomes como Halsey, Sia, John Legend, Tove Lo, Kygo, The-Dream, além de duetos babadeiros como o de Nick Jonas e Nicki Minaj e Taylor Swift com Zayn, que é a mais conhecida "I Don't Wanna Live Forever". Morrendo de amores pela versão de Corinne Bailey Rae para "The Scientist".



Produzido em dois mil e dezesseis, lançado aqui no Brasil no último dia 09, o filme americano tem conteúdo erótico, baseado no best-seller da autora britânica E. L. James, com a direção de James Foley, e protagonizada por Jamie Dornan e Dakota Johnson. Cinquenta Tons Mais Escuros, revela os incômodos de Anastasia (Dakota Johnson) aos hábitos e atitudes de Christian Grey (Jamie Dornan) que ao terminarem o relacionamento se vêem perdidamente apaixonados um pelo outro. Ou seja, o bonito não vai desistir tão fácil da sua amada, porque é aquele ditado: a esperança é a última que morre. A persistência do rapaz acaba funcionando e a personagem de Dakota faz uma proposta a ele, sem regras, punições e sem segredos a partir dessa "negociação", assim reiniciando o relacionamento com o jovem milionário. 

Algumas das cenas mais aguardadas do filme deixaram a desejar, como por exemplo, o encontro de Anastasia com a Mrs. Robinson, interpretada por Kim Basinger, mulher responsável pela iniciação do Christian na vida sexual. Tá que foi hilário, aquele clichê de novela mexicana com direito a bebida jogada na cara, tapas e tudo mais, barracos que a gente adora. E também a cena do acidente de helicóptero, onde o cara volta do nada pra casa e sem nenhuma lesão. Ok, o filme tem um limite de tempo e precisa seguir o cronograma para cada cena, mas poxa, faltou um suspense, um drama. Teve momentos bonitos e muito bem escritos também, fazendo relação ao filme anterior, e uma das cenas que eu mais gostei foi quando o Christian se ajoelha aos pés da Anastasia, pega sua mão e coloca em seu peito, que até o momento não era permitido, pois ela não podia tocá-lo, vocês lembram? 


Deixando a desejar ou não, convenhamos que após o final do filme, ficou aquele sentimento de quero mais, e tomara que no próximo filme da franquia, eles consigam corresponder com todas as expectativas dos fãs, especialmente dessa que vos fala.  

E por hoje é isso, gente! Espero voltar em breve, beijos e até mais.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Valentine's Day: OTPs que a gente respeita

Na última terça-feira (14) foi comemorando nos Estados Unidos, Canadá, Europa e nos países orientais o Valentine's Day, que seria o dia dos namorados aqui no Brasil, que é comemorado em doze de Junho. E diante a tal data, separamos seis casais de séries que a gente shippa muito e ama com força. 

Finn e Rachel
Não poderíamos deixar de mencionar e enaltecer a melhor série e um dos casais mais amados da ficção: Finchel, de Glee. Finn e Rachel fazia o típico casal adolescente clichê, a nerd loser que se apaixona pelo garoto popular. Já no piloto da série, quando o personagem de Cory Monteith é forçado a entrar no Glee Club, Rachel – interpretada por Lea Michele, demonstra interesse pelo rapaz. Mas somente no final da primeira temporada que eles conseguem ficar real oficial. Durante quatro temporadas acompanhamos o crescimento e amadurecimento do maior ship que você respeita. E mesmo após a morte do personagem, no 5x03, o nome do mesmo foi mencionado por seu par romântico diversas vezes nas duas temporadas finais. Finchel foi tão forte que ultrapassou as paredes do estúdio cinematográfico da Fox e deu vida a Monchele (Monteith + Michele), ou seja, os atores também namoravam na vida real.

Santana e Brittany
Diferente de Finchel e ainda falando em Glee, Brittana não nasceu no início da série. Sendo mais específico foi entre o meio e final da segunda temporada, quando descobrimos o que a cruel Santana sentia de verdade pela doce Brittany. Brittana era como se fosse yin-yang da série, logo que Santana e Brittany eram totalmente diferentes uma da outra. Santana (Naya Rivera) era abertamente lésbica, já Brittany (Heather Morris) bissexual. Além do mais, o que Santana tinha de áspera e ácida, Brittany era inocente e ingênua, e juntas era uma das coisas mais fofas e engraçadas da série. E depois de muitas idas e vindas, as duas trocam alianças no oitavo episódio da última temporada. 

Lydia e Stiles
Em terceiro lugar e queridíssimos pelo publico temos Stiles e Lydia de Teen Wolf, Stydia, que é um dos maiores shippers do Tumblr, seja com fanfics, com imagens, uma coisa é certa: quem não assiste Teen Wolf, com certeza ao menos já esbarrou com alguma imagem Stydia na internet da vida. No piloto da série, Stiles (Dylan O'Brien) se declara perdidamente apaixonado por Lydia (Holland Roden), mas como nem tudo na vida são flores, Lydia não via Stiles da mesma maneira, ou seja, ele foi jogado na terrível friendzone. E foi apenas na terceira temporada, no 3x11, que rolou o primeiro beijo Stydia. Já o segundo beijo aconteceu dias atrás, na atual temporada. Conclui-se que com apenas um beijo, a fã base desse casal é coisa de outro mundo, logo que é um ship antiguíssimo, e claro que a gente shippa muito! #Stydiaisreal 

Even e Isak
Evak é um ship recente, tem até cheiro de novo, sabe? E faz jus a aquela famosa frase clichê: o que dizer desse ship que mal conhecemos e já consideramos pakas? Pois muito que bem, Evak é da série Skam, que nos apresenta na terceira temporada Even (Henrik Holm) e Isak (Tarjei Sandvik Moe). A sexualidade de Isak é questionada desde o primeiro ano da série, mas como é a terceira temporada que é focada no personagem, somente na mesma que o assunto é abordado. Isak passa por todos os dramas e descobertas da sua homossexualidade, saindo de uma família desestruturada e muito religiosa. O personagem de Henrik, que aparece pela primeira vez na terceira temporada, não passa por bons momentos também não, é um personagem complicado, pois além de sofrer de transtorno bipolar, tem uma namorada. Pois é, pra incluir aquela carga dramática que a gente adora e sofre horrores com os personagens. 

Eleanor e Jasper
Pra causar muita polêmica e muita confusão, não podemos de deixar de falar do OTP que nasceu de uma chantagem, de uma imensidão de mentiras, e que foi inevitável não shippar: Jaspeleanor, de The Royals. Jasper (Tom Austen) começou a trabalhar no Palácio como guarda-costas da Princesa Eleanor (Alexandra Park), e com o intuito de roubá-la e para conseguir manipular a jovem princesa, ele passa a chantageá-la. Só que o tiro saiu pela culatra e o vigarista se apaixona perdidamente pela princesa. E como esse romance nasceu de forma inesperada e estranha, é claro que os fãs de Jaspeleanor iriam sofrer com os altos e baixos do casal. E verdade seja dita: como a gente sofre, mais do que com Evak. 

Amy e Sheldon
E claro que a gente não poderia deixar de fora The Big Bang Theory e com ela o casal mais estranho , nerd e desajustado da dramaturgia em série: Shamy. Na esperança de mudar a personalidade do personagem Sheldon (Jim Parsons), seus amigos que o achavam insuportável, isso porque o personagem possui dois Doutorados e um Mestrado, é totalmente arrogante a ponto de se achar mais inteligente que Isaac Newton, por exemplo, e diante a tanta arrogância, no final da terceira temporada Howard (Simon Helberg) e Raj (Kunal Nayyar) resolveram apresentar o amigo para Amy (Mayim Bialik), mal sabendo que ela seria a versão feminina do próprio Sheldon. A princípio Shamy funcionava apenas como amizade. Sheldon e Amy viviam se falando por chamada de webcam, e somente na quinta temporada, após quase perde-la para outro, Sheldon decidiu firmar relacionamento sério, com direito a trinta e uma páginas de um "contrato de relacionamento". O contrato foi forte, pois eles estão juntos a cinco temporadas. E claro, a gente morre de rir com as cenas Shamy!

E por hoje é isso, gente. A vocês que namoram, um happy valentine's day atrasado, e a vocês que não namoram: calma! As séries estão aí pra isso, ninguém precisa disso pra ser feliz, mores!


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Uma dose de humor 03: bagaceiras que a gente ama

Parafraseando a rainha da internet Inês Brasil: se séries de comédia existem, graças a Deus, porque existem. Faz um tempo que a gente não faz esse tipo de post, trazendo séries que conseguem arrancar inúmeros risos e gargalhadas de quem as assiste, não é mesmo? Pois muito que bem, como nós adoramos essas séries bagaceiras, fizemos essa listinha do amor com três séries de comedia que estamos amando no momento. 

Bernadette, Howard, Leonard, Penny, Sheldon, Amy e Rajesh (Raj)
E pra dar inicio, nós escolhemos um clássico da CBS, até porque quando se fala em comédia, geralmente The Big Bang Theory ou TBBT, criada por Chuck Lorre e Bill Prady, é uma das principias sitcoms que nos vem à cabeça. Não só na nossa, considerando o número de temporadas que a série já possui. Devido sua popularidade, TBBT está em sua décima temporada, sendo uma das séries mais antigas que a gente acompanha. A série tem como premissa a vida quatro amigos: Sheldon (Jim Parsons), Leonard (Johnny Galecki), Howard (Simon Helberg) e Raj (Kunal Nayyar), sendo os maiores nerds que a gente respeita. Após conhecerem Penny (Kaley Cuoco) ,os jovens cientistas tem suas vidas transformadas, principalmente a de Leonard. No decorrer das temporadas, Melissa Rauch e Mayim Bialik complementam o elenco regular da série, aumentando ainda mais a popularidade da mesma e criando uma das nossas personagens favoritas, Amy Farrah Fowler (Bialik). 

Obs: há dez temporadas no ar e a gente ainda não consegue cantar a música tema. #ajudaluciano


Michel, Jane e Rafael
Jane the Virgin, é claramente uma adaptação das clássicas telenovelas mexicanas em forma de série. A série conta a historia de uma moça virgem e religiosa que decide se guardar para o casamento. A moça bela, trabalhadora, educada, recatada e do lar chama-se Jane, que é interpretada por Gina Rodriguez. Tudo começa quando em uma consulta de rotina, Jane é acidentalmente inseminada pela médica, Luisa (Yara Martinez). Luisa tem um irmão, Rafael (Justin Baldoni), que por conta de sua quase morte em virtude de um câncer, teve uma amostra do seu esperma guardado, sendo esta a ultima chance do rapaz de ter filhos biológicos. Seria engraçado se não fosse trágico, logo que Jane tem um namorado, Michel (Brett Dier) e Rafael uma ex-mulher, Petra (Yael Grobglas), que não levam isso muito na boa. Toda história é contada por um narrador mexicano, reforçando a impressão no telespectador da sensação de estar acompanhando uma telenovela. A série está na terceira temporada, e com a quarta garantidíssima. 


Mackenzie (Mickey), Ben, Sabrina e Alba
E em terceiro lugar e sem rodeios, tem a nova comédia da FOX: The Mick, que conta a historia de Mackenzie, ou apenas Mickey, interpretada por Kaitlin Olson, uma personagem totalmente sem noção, que sem escolha acaba ficando responsável por cuidar de seus sobrinhos. Sobrinhos que ela ainda nem conhecia. Toda história se inicia quando Mickey resolve fazer uma visita a sua irmã rica, Poodle (Tricia O'Kelley) em busca de ajuda financeira. Ao chegar à casa da irmã, Mickey é surpreendida com a noticia de que Poodle e seu marido Christopher (Laird Macintosh) estão sendo acusados e que os mesmos fogem do país para escaparem das acusações de fraude federais, deixando Mickey como tutora da guarda de seus três filhos: Sabrina (Sofia Black-D’Elia), adolescente rica e mimada que não vai aceitar ordens de ninguém, muito menos de uma tia que mal conhece. Chip (Thomas Barbusca) histérico e narcisista que não enxerga, que não pensa em ninguém e Ben (Jack Stanton) o caçula e inocente, sendo totalmente o oposto de seus irmãos. Para auxiliar Mickey na terrível missão de cuidar dos jovens ricos, a mesma conta com a ajuda de Alba (Carla Jimenez), que é uma espécie de babá da família. A comédia da midseason já fez tanto sucesso que a FOX encomendou quatro episódios a mais, totalizando dezessete episódios na primeira temporada.

E por hoje é isso, mores. Vocês podem estar lendo a primeira parte do post sobre séries de humor aqui e a segunda parte aqui. Até mais.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Run the world: Sweet/Vicious

Pois muito que bem, assim como semana passada e ainda seguindo a vibe adolescente, depois de Teen Wolf e Scream, estreou no canal da MTV na fall season de dois mil e dezesseis Sweet/Vicious, que diferente das antecessoras não explora o sobrenatural e/ou terror. A série aborda como tema um assunto muito sério e que faz parte do nosso dia-a-dia: abuso e exploração sexual. 


Sweet/Vicious, que originalmente iria se chamar Little Darlings, foi criada por Jennifer Kaytin Robinson e estrelada por Eliza Bennett, Taylor Dearden, Brandon Mychal Smith, Nick Fink, Aisha Dee e Dylan McTee, se desenvolve sobre a vida de Jules, personagem vivida por Bennett, uma jovem bela, recatada e do lar, que tem sua vida transformada após sofrer um grande trauma no passado. E a doce garota, que levava uma vida calma e serena, frequentando as festas da fraternidade, movida pelo ódio e medo do seu passado, transforma-se em vigilante, atacando os acadêmicos que cometeram/cometem estupros dentro do campus da universidade e saíram/saem ilesos de tais crimes, parafraseando Rita Lee, Jules é mais macho que muito homem.

E como todo vigilante, assim como nosso Green Arrow, não trabalha sozinho, Jules conta com a ajuda de Ophelia (Taylor Dearden), que é o seu oposto, tanto que logo no inicio do primeiro episodio já vemos Ophelia acordando com um maluco pelado, Evan (Stephen Friedrich) em sua cama, fumando maconha e correndo da polícia do campus. Melhor pessoa. Movida por sua inteligência e curiosidade, Ophelia descobre todo o trabalho que Jules vem realizando nos últimos meses, e então decide ajudá-la, mas é com um terrível acontecimento que as duas se veem entrelaçadas e ambas transformam-se em uma dupla de vigilantes que protegem as garotas da universidade. Run the world? Girls!


A dinâmica e química entre as personagens é algo crescente, que vai acontecendo naturalmente. De início, elas não se dão bem, até porque Ophelia, que é toda extrovertida vibes e tal, força Jules, que é fechada, mais na dela e introvertida, a deixar que faça parte de sua missão no combate ao crime sexual, nascendo assim uma amizade, sem querer querendo. Até que em determinado momento elas aprendem a conviver e trabalhar juntas, com aquele velho clichê de que os opostos se atraem. A gente vê a personagem de Taylor como uma maneira que os roteiristas encontraram de incluir humor em meio a um assunto tão sério e importante abordado na série. 

Ainda falando sobre amizade, Jules e Ophelia têm seus melhores amigos, respectivamente. Jules tem Kennedy, interpretada por Aisha Dee, e Ophelia, por sua vez, tem Harris James, interpretado por Brandon Mychal Smith, que em virtude dos segredos e mentiras, ambos vão se afastando das vigilantes. E olha, as duas batem em todo mundo mesmo. Sexo frágil não existe nessa série!

Mas calma, relacionamentos não as únicas coisas que a série aborda não, porque além tratar um assunto sério de forma cômica, pra quem, assim como nós, é viciado em séries/filmes, notou que em diversos momentos Sweet/Vicious trabalha com variadas referências, como por exemplo, Grey's Anatomy, Mr. Robot, Wicked e Frozen. A gente pira!

video
Defying Gravity, Wicked

Confira o trailer da série clicando aqui

A série que recebeu inúmeras críticas positivas, exibiu no último dia vinte e quatro de janeiro o último os dois últimos episódios da primeira temporada, e até o momento a série ainda não foi renovada para sua segunda temporada. Queremos ver o circo pegar fogo e Jules e Ophelia batendo em geral. #renovaMTV

"Faço o possível para escrever por acaso. Eu quero que a frase aconteça. Não sei expressar-me por palavras. O que sinto não é traduzível. Eu me expresso melhor pelo silêncio. Expressar-me por meio de palavras é um desafio. Mas não correspondo à altura do desafio. Saem pobres palavras." Clarice Lispector